Segunda fase da Operação Ostentação prende duas mulheres e apreende quatro veículos em Aparecida de Goiânia

Duas mulheres foram presas temporariamente nesta quinta-feira (17) em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital, suspeitas de lavagem de dinheiro. As prisões ocorreram como parte da segunda fase da Operação Ostentação, da Polícia Civil do Tocantins, que investiga grupo suspeito de movimentar mais de R$ 10 milhões por meio de invasão de contas bancárias.

A corporação realizou ainda a apreensão de quatro carros na cidade goiana: um Honda Fit, um Audi A3 um Kia Picanto e um Honda Civic Touring, que também foi sequestrado, ou seja, não pode ser vendido ou repassado pelo proprietário. Segundo a Polícia Civil, os carros não são considerados de luxo, como na primeira fase, mas valem mais de R$ 100 mil.

A delegada responsável pela investigação e titular da Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC), Milena Lima, afirmou que os veículos estão nos nomes das presas e de outros investigados. Segundo ela, as mulheres são parentes de envolvidos nos esquemas de invasão de contas bancárias.

“Elas foram presas e trazidas para Palmas. Com o acompanhamento do advogado, estão colaborando com as investigações e se mostraram arrependidas. Uma delas é uma idosa, dona de casa, e a outra uma estudante de medicina. Elas emprestavam o nome para registro de carros e imóveis, e as contas bancárias para transações. Uma delas teve uma movimentação de R$ 1 milhão”, contou.

Dois dos carros apreendidos durante Operação Ostentação (Foto: Divulgação/Polícia Civil TO)Dois dos carros apreendidos durante Operação Ostentação (Foto: Divulgação/Polícia Civil TO)

Dois dos carros apreendidos durante Operação Ostentação (Foto: Divulgação/Polícia Civil TO)

Milena disse ainda que outros dois homens envolvidos no esquema e que tinham mandados de prisão em aberto se apresentaram na Polícia Civil de Palmas e também estão sendo ouvidos. A corporação ainda procura três pessoas que, segundo as investigações, fazem parte do grupo criminoso, mas estão foragidas.

Primeira fase

No último dia 8 de maio, a primeira fase da operação apreendeu uma Range Rover Evoke, da marca Land Rover, e uma BMW X2 em Goiás. Também de acordo com a delegada, na época da apreensão, “os carros eram usados como uma forma de lavagem de dinheiro. Eles eram registrados no nome de terceiros”.

A força-tarefa investiga uma quadrilha suspeita de invadir contas bancárias para desviar dinheiro. Além dos carros apreendidos, a ação bloqueou R$ 1 milhão nas contas bancárias dos suspeitos.

Investigação

A investigação foi iniciada depois que a polícia identificou que clientes de 23 estados do país tiveram suas contas bancárias invadidas e dinheiro furtado. A polícia acredita que os valores teriam sido usados pelos integrantes das quadrilhas para transferências e pagamentos de boletos de impostos, como ICMS e IPVA.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, o prejuízo causado ao banco foi de R$ 1 milhão, em poucos meses. A suspeita é de que os criminosos conseguiam infectar os computadores por meio de vírus e acessavam o internet banking de clientes para pegar os dados das vítimas.

A operação é coordenada pela Delegacia Especializada de Repressão a Crimes Cibernéticos e realizada simultaneamente em Goiânia e Palmas. Mais de 60 policiais cumprem os mandados.

Com Informações G1