Polícia Federal investiga servidor do Ibama suspeito de avisar sobre fiscalizações

Operação Bizu cumpre quatro mandados de busca e apreensão no Tocantins. Investigados devem responder por corrupção passiva e ativa.

A Polícia Federal cumpre quatro mandados de busca e apreensão nesta quinta-feira (17), durante a operação Bizu. O objetivo é coletar mais provas envolvendo um crime praticado por um servidor do Ibama investigado por repassar informações privilegiadas em troca de dinheiro. O nome dele não foi divulgado. Os mandados foram cumpridos em Palmas, Itacajá e Goiatins.

Cerca de 16 policiais federais participam da operação. Segundo a PF, as investigações começaram após a operação Bagration, realizada em Goiatins e outras cidades do norte do estado. Durante as investigações, ficou comprovado que um ex-prefeito de um município do Tocantins teria feito um repasse de R$ 2,5 mil ao servidor do órgão federal após ter sido avisado sobre uma fiscalização realizada em sua fazenda.

Os criminosos deverão responder pelos crimes de corrupção passiva e ativa. O nome da operação faz referência a uma gíria usada em situações nas quais informações são repassadas por estudantes, durante provas.

A operação Bagration foi realizada em junho de 2016. Os envolvidos são suspeitos de integrarem uma organização criminosa que atuava no desvio de recursos públicos. Segundo a PF, a suspeita é que os prejuízos causados aos cofres da União sejam de aproximadamente R$ 10 milhões.

Via g1