Jovem fica com cicatriz de 15cm após fazer um megahair

“Você confia nessas pessoas como profissionais, mas isso se transformou em uma história completa de horror”, diz Helzie Amnell-Connor.

Helzie Amnell-Connor tem 24 anos e é de Leeds, West Yorkshire. A jovem ficou com uma cicatriz de 15cm em sua testa depois de investir 200 libras (cerca de 960 reais) em um aplique de cabelo. A jovem contou que sentiu um grande aperto em seu couro cabeludo nas semanas após que fez o procedimento, até que um dia acordou com uma dor terrível e com sangue escorrendo pelo seu rosto.
 

Agora, Helzie está contando sua história para que mais jovens fiquem atentas quando decidirem colocar megahair e não ignorar os sintomas de dor. Em entrevista ao Mirror, a jovem disse ter ficado chocada ao descobrir que o aplique havia sido costurado em seu couro cabeludo, mas alega que os profissionais disseram que ela iria se acostumar com aquilo. Depois de ter terminado o procedimento, Helzie foi instruída a voltar ao salão um mês depois para um retorno, mas nas semanas que se seguiram, a dor e a tensão em sua cabeça aumentaram.

Helzie Amnell-Connor

 (Reprodução/Mirror)

A jovem, que supostamente foi aconselhada por um advogado a não mencionar o salão onde realizou o trabalho, afirma que foi informada que isso era normal e “aguentou”por mais alguns dias, até que em uma sexta-feira acordou coberta de sangue e em agonia. “Eu acordei com sangue escorrendo pelo meu rosto, era como um filme de terror“, disse ela. Helzie foi para um Hospital onde começou a receber antibióticos e analgésicos.

Helzie Amnell-Connor

(Reprodução/Mirror)

“Eu só quero aumentar a conscientização sobre isso. Para uma menina, o cabelo é a parte mais importante do corpo e é importante que as pessoas saibam que isso pode acontecer. Se eu soubesse que a dor era uma indicação de que algo estava errado, eu teria feito algo sobre isso mais cedo. Agora eu posso ter essa cicatriz para a vida toda“, desabafou. Helzie, que se descrevia como uma pessoa confiante, diz que agora foi deixada destruída e tem medo de sair de casa.

A jovem, que agora tem que esperar mais quinze dias para retornar ao hospital, diz que está trabalhando em meios legais em relação ao salão que fez isso com ela. “Você confia nessas pessoas como profissionais, mas isso se transformou em uma história completa de horror“, disse ela.

Por Malu Pinheiro