Senhor de 84 anos é diagnosticado com bolso de ar no crânio

Tomografia mostra o bolso de ar e o tumor do paciente (Foto: BMJ Case Reports)

TOMOGRAFIA MOSTRA O BOLSO DE AR E O TUMOR DO PACIENTE (FOTO: BMJ CASE REPORTS)

Quedas e fraqueza nos braços e nas pernas são comuns entre os idosos. Mas o que estava por trás desses sintomas diagnosticados em um senhor britânico de 84 anos não era nada normal, como descreve um artigo publicado no periódico BMJ Case Reports.

De acordo com os médicos, o homem não apresentava confusão na fala e parecia estar em boa forma. Ele não fumava, raramente bebia, e vivia com a sua família. Exames de sangue foram feitos, mas nada conseguia explicar o repentino mal-estar que sentia aquele senhor.

Foi então que os médicos decidiram fazer tomografias e ressonâncias magnéticas em sua cabeça e descobriram que havia um grande espaço vazio onde deveria estar o lobo frontal direito dele.

“Nós ficamos muito perplexos com as imagens que vimos”, afirma Finlay Brown, um dos médicos que examinou os resultados dos exames no Causeway Hospital, na Irlanda, em entrevista ao The Washington Post.

A condição do senhor é chamada de pneumoencéfalo, que define a presença de ar no crânio. É extremamente rara e, na grande maioria dos casos, ocorre apenas em pessoas que passaram por alguma cirurgia cerebral ou que tiveram sérias lesões faciais e no seio nasal — sendo que a maior parte delas apresentam espaços bem menores do o que foi observado neste caso.

O senhor alegava que não havia passado por nenhuma dessas experiências, mas os médicos acabaram descobriram um osteoma, um tumor ósseo benigno no seio nasal do idoso. Acredita-se que o tumor tenha sido o responsável por desgastar o crânio e assim abrir uma pequena passagem de ar até o cérebro.

“Conversando com especialistas, parece que isso tem progredido de forma traiçoeira ao longo de meses ou anos”, diz Brown ao Washington Post. “Quando o paciente fungava, espirrava ou tossia, ele poderia estar empurrando mais ar para a sua cabeça.”

Outra possível causa para a condição é um pequeno derrame sofrido pelo paciente que deve ter enfraquecido seu lado esquerdo.

Os médicos propuseram que o senhor passasse pelas cirurgias de remoção do tumor e da retirada do ar do crânio mas, por causa da sua idade e de motivos de saúde, o homem não aceitou a proposta. Agora, está tomando remédios para prevenir um segundo acidente vascular cerebral. Apesar do pneumoencéfalo, alega que já se sente melhor desde que recorreu ao tratamento hospitalar.

Galileu