Morre, aos 91 anos, o lendário estilista francês Givenchy

O anúncio foi feito pela maison Givenchy, que agora é propriedade do grupo francês de bens de luxo LVMH.

O estilista francês Hubert de Givenchy, que dominou a indústria da moda por mais de três décadas e cujas roupas foram usadas por estrelas como Audrey Hepburn e Grace Kelly, morreu aos 91 anos. A morte aconteceu no sábado, mas seu anúncio só foi feito nesta segunda-feria pela maison Givenchy, que agora é propriedade do grupo francês de bens de luxo LVMH.“Monsieur De Givenchy morreu enquanto dormia no sábado, 10 de março de 2018. Seus sobrinhos e sobrinhas compartilham a dor. O funeral será realizado na mais estrita intimidade”, afirma o comunicado da maison, assinado pela família do estilista.

No texto, os parentes informam que, “ao invés de flores e coroas”, Givenchy “teria preferido uma doação ao Unicef em sua memória”.

Givenchy fundou uma das mais importantes marcas de moda do mundo em Paris na década de 1950 e depois tentou a sorte em Nova York, construindo um império comercial que se tornou parte do grupo LVMH quando foi vendido no final da década de 1980.

O estilista nasceu em 1927 em Beauvais, no oeste da França, e se mudou para Paris aos 17 anos para se dedicar à sua paixão. Começou trabalhando para Jacques Fath e depois para Robert Piguet e Lucien Lelong, antes ir para a grife de Elsa Schiaparelli, onde rapidamente se transformou em diretor artístico até criar a marca Givenchy, em 1952.

A atriz Audrey Hepburn teve um papel fundamental na obra do estilista, que desenhou vários modelos usados por ela no filme Sabrina (1954). Em 1957, Audrey também foi garota-propaganda do primeiro perfume de Givenchy, L’interdit.

As grandes datas de Hubert de Givenchy

– 20 de feveiro de 1927: Hubert Taffin de Givenchy nasce em Beauvais (norte da França)

– 1945: começa sua carreira como estilista na maison de Jacques Fath e Elsa Schiaparelli

– 1952: funda sua própria casa de moda

– 1953: começa sua colaboração com a atriz Audrey Hepburn, sua musa

– 1988: vende sua casa de moda a LVMH, mas se mantém como o diretor artístico

– 1995: apresenta suas últimas coleções de alta-costura e prêt-à-porter.

– 10 de março de 2018: morre aos 91 anos

Com agências EFE, France-Presse e Reuters