Associação de moradores em Porto Nacional questiona obra em área que consideram pública

A doação de um terreno para a Igreja Católica em Porto Nacional, região central do Tocantins, foi parar na Justiça. A associação de moradores do bairro onde a paróquia fica questionou a medida depois que foi informada de um projeto para construir salas de aulas para a catequese no local. Eles acreditam que a obra vai prejudicar a comunidade e inviabilizar o uso da praça.

“Nós não somos contra, de maneira alguma, a construção das salas de catequese. Agora, nós somos contra construir em uma área que a comunidade está utilizando. Isso aqui é uma área pública. É a Praça das Mães”, explica Adilson Barros, presidente da associação.

A doação foi feita em 2004, na gestão de Otoniel Andrade. Apesar disso, vários ex-prefeitos afirmam que a área sempre foi da igreja e que pertencia ao poder público apenas no papel. “Em 1895 esta área pertencia aos padra dominicanos que construíram a igreja Nossa Senhora das Mercês”, diz Olegário José da Silva.

“Esta praça aqui ficou sempre respeitada como a praça da capelinha, que Dom Alano construiu”, completa Jurimar Pereira. Os dois foram chefes do poder executivo na cidade.

O Ministério Público Estadual entrou no caso e recomendou que a doação seja anulada. O atual prefeito, Joaquim Maia, disse que vai atender a recomendação, mas a igreja está tentando reverter a decisão nos tribunais.

Enquanto a questão não é resolvida definitivamente, a comunidade fica em um impasse. Os católicos fizeram uma vigília em frente à igreja e disseram que a construção é necessária para educar os mais jovens.

“Nós necessitamos das salas de catequese para dar a catequese para as crianças. As vezes fazemos aqui na porta de igreja, porque não tem lugar para dar, as vezes no salão. É muito complicado, as crianças não se concentram”, conta a catequista Maria José de Araújo.

 Com Informações TV Anhanguera