Seminário aborda propostas para a integração das cadeias produtivas no Estado

Com a proposta de informar sobre a importância da integração das cadeias produtivas para o desenvolvimento agrícola do Tocantins, o Governo Estado, por meio das secretarias de Estado do Planejamento e Orçamento (Seplan); do Desenvolvimento da Agricultura e da Pecuária (Seagro); da Infraestrutura e Serviços Públicos (Seinf); e o Banco Mundial, realizou na manhã desta quinta-feira, 1º de março, o Seminário de Agrologística do Tocantins.O evento teve a participação de autoridades públicas estaduais, federais e municipais representantes do Banco Mundial, da Valor Logística Integrados (VLi), de produtores agrícolas, empresas do ramo de logística, pesquisadores, técnicos, estudantes e sociedade em geral.

A logística voltada para o agronegócio tocantinense e o Programa de Desenvolvimento Regional da área de influencia da Ferrovia Norte-Sul foram temas debatidos pela manhã. A programação segue, no período da tarde, a partir das 14 horas, no auditório do Palácio Araguaia, em Palmas, com palestras sobre os caminhos do Agronegócio; Análise de Risco; Desenvolvimento de Corredores Logísticos no Brasil e o Plano Estadual de Logística de Transporte.

O secretário de Estado da Agricultura e Pecuária, Clemente Barros, falou sobre a relevância do evento por trazer informações detalhadas referente ao escoamento da produção no Tocantins; infraestrutura; investimentos na construção de vias de escoamento, como a ferrovia e os terminais de carga; e outros temas que trazem desenvolvimento para o Estado. “Estão sendo discutidos temas técnicos e outros de interesse da sociedade em geral, além da apresentação das cadeias produtivas do arroz e do milho, um trabalhado realizado por meio do Banco Mundial”, destacou.

Segundo o gerente de Projetos do Banco Mundial, Satochi Ogita, atualmente a instituição cobre muitos projetos, por meio do Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável (PDRIS), com construção de estradas vicinais e estaduais, abrangendo seis setores da administração pública entre eles o setor da agricultura.

Na o ocasião, a  vice-governadora Claudia Lelis agradeceu pela contribuição do Banco Mundial para o avanço do desenvolvimento do Estado, e reforçou que o Tocantins é privilegiado em sua localização centralizada e logística. Lembrou ainda que o Estado tem potencial para ser uma grande fronteira agrícola não só da Região Norte como também do Brasil, por ser uma grande fronteira agrícola, e o mais importante, sem ter que abrir novas áreas, utilizando inovações tecnológicas.

Claudia Lelis destacou ainda que o governador Marcelo Miranda tem trabalhado incansavelmente para o desenvolvimento do agronegócio no Tocantins, com comprometimento e esforço na melhoria das estruturas, se adequando e enfrentando desafios na intenção de promover o desenvolvimento econômico e social do Tocantins.

O acadêmico Guilherme Guimarães Belfort, que cursa o 2° período de Agronomia na Faculdade Católica do Tocantins, disse que veio participar do encontro para entender como o Estado está se preparando para ter um grande desenvolvimento, principalmente nas áreas de piscicultura e bovinocultura. “Quero conhecer os planos para o futuro do Tocantins, visto que o Estado pode crescer em várias áreas. Temos a bacia do Rio Tocantins que corta todo o Estado e queremos saber quais os incentivos que o Governo tem para o grande, médio e pequeno produtor”, afirmou.

Palestras

No período da manhã, os assuntos debatidos foram a Logística como viabilizadora do agronegócio e o Programa de Desenvolvimento Regional da Área de Influência da Ferrovia Norte Sul. O engenheiro de produção mecânica, especialista técnico em produção agrícola da VLI, Edson Eddy Zacarias, ministrou a palestra Logística como viabilizadora do Agronegócio no Tocantins, que trouxe informações desde o que é a empresa e quando foi instalada no Tocantins, apresentando também toda a infraestrutura instalada no Estado para viabilizar o escoamento da produção, de forma integrada, desde o cultivo até a entrega nos portos para exportação. “A VLI tem implementado ações para aumentar a produção agrícola no Tocantins e vem aumentando a eficiência nas ferrovias, a capacidade, velocidade e segurança no escoamento da produção, entre outras ações que visam o crescimento do agro no Tocantins de forma integrada, os produtores sabem o que devem plantar, há também um planejamento na cadeia logística e os portos se preparam para escoar a produção”, destacou.

Também foram apresentados os estudos realizados com apoio do Banco Mundial e sob a coordenação do Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável (PDRIS), que abordam o desenvolvimento da região a partir da sua matriz logística.

O palestrante Vladimir Fernandes Maciel, da empresa Consórcio MCRIT Urbana Consultoria, disse que entre os planos apresentados para o projeto, o selecionado pelas pessoas envolvidas no processo foi o Plano de Densamento a partir da Agroindústria. “O desenvolvimento se faz com a inclusão dos antigos investidores, conhecendo o papel da ferrovia na logística e intensificando e mantendo a expansão futura do estado, de forma perene”, afirmou.

Eliane Tenório, Palmas