Programa para preservar empregos terá quase o dobro da verba, empresas têm dúvida sobre adesão

Acréscimo em recursos para tentar minimizar a crise financeira. A iniciativa do governo federal para preservar empregos deve receber R$ 327,28 milhões em 2017. O chamado Programa Seguro Emprego (PSE) terá à disposição verba 88% maior que o usado desde o seu lançamento em 2015.

Segundo a média histórica, o valor é suficiente para proteger até 123 mil vagas. Mesmo com o orçamento reforçado, há dúvida se os recursos serão usados. Especialistas dizem que a adesão nem sempre é fácil e apenas companhias que usam mão de obra especializada veem benefícios na medida. O PSE permite que empresas em dificuldade possam negociar a diminuição da jornada de trabalho e dos salários em até 30%. Para minimizar a perda de renda do empregado, o governo compensa metade dessa redução salarial. Assim, na prática, o contra cheque pode ficar até 85% menor ao invés do limite de 70% previsto no acordo.

Desde agosto de 2015, o programa usou R$ 173,75 milhões para a manutenção de 65.443 postos de trabalho, segundo o Ministério do Trabalho. O montante previsto para 2017, portanto, é quase o dobro do orçamento usado em um ano e meio do programa. O dinheiro novo, porém, não parece atrair muita atenção das empresas e há dúvidas sobre a demanda.

 

Agência CNM, com informações da Agência Estado