Transportadoras somam R$ 50 milhões em prejuízos e governo cobra pavimentação da BR-163

Cerca de 5 mil caminhões carregados de soja e milho, que seguiam para os portos paraenses do Arco Norte, estão parados em meio aos atoleiros em trechos da rodovia federal BR-163, segundo o governo estadual. As fortes chuvas que caem na região deixaram intransitável a estrada que é a segunda rota mais importante para escoar a safra agrícola mato-grossense para os portos de Miritituba e Santarém.

Por se tratar do pico da safra, as transportadoras já contabilizam aproximadamente R$ 50 milhões em prejuízos imediatos, e estimam perdas ainda maiores, caso a situação persista. É pelos portos de Miritituba e Santarém que os produtos são embarcados para mercados internacionais, como o da China e Europa.

Cálculos da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) e da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), divulgados em nota oficial, indicam que para cada dia em que os portos ficam impedidos de embarcar mercadorias, o prejuízo para as empresas é de US$ 400 mil, com custos de elevação e “demurrage” (sobre-estadia).

 

Agro Olhar